“Playing for the Planet Alliance”, quando os videojogos se juntam à luta contra as alterações climáticas – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

“Playing for the Planet Alliance”, quando os videojogos se juntam à luta contra as alterações climáticas

Tempo médio de leitura: 4 minutos

“Mais de 2,3 mil milhões jogadores em todo o mundo”, “com receitas maiores do que Hollywood, Bollywood e a indústria discográfica mundial junta” e a “plataforma media com o crescimento mais rápido”, é assim que os videojogos mostram que não são apenas para crianças e que conquistam as mais diversas faixas etárias. Por cá os jogos também fazem parte da realidade dos portugueses. De acordo com o mapa disponibilizado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Portugal em 2019 tinha cerca de 40% a 50% da sua população a ser jogadora.

Tendo em conta a grande influência que os videojogos têm nas várias gerações, nomeadamente nas mais novas, e o crescimento que se tem assistido a nível global, o PNUMA  criou a “Playing for the Planet Alliance”,uma iniciativa lançada durante a Climate Summit, na sede da ONU em Nova Iorque, e onde as maiores empresas do setor dos videojogos se comprometem a aproveitar o poder das suas plataformas para enfrentar a crise climática, causando assim, um impacto real nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e nas necessidades globais urgentes que eles representam.

Ao ingressar na “Aliança do Planeta”, os membros assumiram compromissos que irão ter um impacto significativo para as pessoas e para o Planeta, isto é, que promovam a conservação da natureza e o combate à crise climática através dos seus produtos. 

No relatório do lançamento da iniciativa foram identificadas sete recomendações para que a indústria de videojogos contribua para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: 

1. Incluir um “empurrãozinho verde” em cada jogo;
2. Criar uma temporada anual de impacto; 
3. Jurar pelo Planeta;
4. Cortar o lixo eletrónico e ser 100% limpo;
5. Criar incentivos fiscais para jogos de sustentabilidade ‘sérios’;
6. Criar uma equipa, recompensá-la e torná-la famosa – isto é, unir os representantes e especialistas das empresas de jogos, recompensar os jogadores ou empresas que contribuam para um Planeta mais verde, e trabalhar com os jogadores famosos que têm grande influência no público;
7. Ajudar os pais a envolverem-se com os filhos nos jogos. 

Entre as empresas 30 que já se juntaram à Playing For The Planet Alliance estão a Microsoft, a Sonny Interactive Entertainment, a WildWorks, a Google Stadia, a Ubisoft e a Unity.
A iniciativa foi facilitada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente com o apoio da GRID-Arendal e da Playmob.