O projeto que quer TransforMAR as praias recolheu, em 2020, mais de 47 toneladas de plástico – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

O projeto que quer TransforMAR as praias recolheu, em 2020, mais de 47 toneladas de plástico

Tempo médio de leitura: 6 minutos

Só neste verão o projeto TransforMAR, na sua terceira edição, recolheu 5,4 toneladas de plástico nas praias. Os resíduos serão reconvertidos em donativos monetários e bens para a sociedade.

Foram 47,7 as toneladas de plástico recolhido em 15 praias portuguesas, durante o ano que passou, que o projeto TransforMAR recolheu, transformando estes detritos em donativos monetários que resultaram num apoio de 1000 euros para instituições locais. 

“A iniciativa esteve presente em 15 praias, de Norte a Sul do país e, fora da época balnear, promoveu oito ações de limpeza, com os voluntários da Brigada do Mar, ao longo de mais de 200 quilómetros de costa”, adiantaram os promotores do projeto.

Segundo a organização da iniciativa, que já se realiza há três edições, foram recolhidas 5,4 toneladas de plástico nos meses de julho, agosto e setembro, superando as 2,6 toneladas de 2019, isto através de depósitos de utilização para veraneantes.

“Assumindo o compromisso de transformar o plástico recolhido num benefício direto para a comunidade e em resposta aos desafios económicos trazidos pelo atual contexto de pandemia, o projeto transformou o total das 47,4 toneladas de plástico recolhido em donativos monetários para apoiar IPSS [Instituições Particulares de Solidariedade Social] locais nos concelhos das praias onde o TransforMAR marcou presença”, realçou.

De acordo com os promotores, os 76 voluntários, ao longo de 2020, conseguiram retirar da orla marítima 42 toneladas de plástico – quase 80% do valor total recolhido – em oito ações de limpeza de praias, numa extensão de 200 quilómetros de costa.

“Selecionadas pelas câmaras municipais, que têm demonstrado um papel ativo na proteção do planeta, desde a primeira edição do TransforMAR, 15 IPSS irão receber um apoio de 1000 euros cada, na sequência da valorização de cada tonelada de plástico recolhido, para melhor servirem a comunidade”, adiantaram, lembrando que, nas edições anteriores, o plástico recolhido foi transformado “em equipamentos para a prática de atividade física e em mobiliário urbano”.

O projeto TransforMAR é uma iniciativa do Lidl e da Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, responsável por três sistemas de recolha e reciclagem de resíduos: equipamentos elétricos, pilhas e embalagens. Tem como parceiros entidades como a Associação Bandeira Azul da Europa, as organizações ambientalistas Quercus e Zero, e a Agência Portuguesa do Ambiente. E o apoio institucional do Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

“O TransforMAR é um projeto inovador na forma como transforma o plástico recolhido num benefício para a comunidade, numa lógica de economia circular, e os seus resultados têm-se superado ano após ano”, avançou a diretora de Comunicação Corporativa do Lidl Portugal, Vanessa Romeu, citada no comunicado. Também o diretor geral do Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, Pedro Nazareth, considerou que o projeto serve para alertar para o “impacto dos resíduos nos ecossistemas e habitats marinhos”, desenvolvendo ações de limpeza nas praias.

A coordenadora nacional do programa Bandeira Azul, Catarina Gonçalves  explicou que esta iniciativa “vai ao encontro da mensagem de sensibilização […] relativa à urgência de alteração de comportamentos” das pessoas. “Esta é uma iniciativa que desafia os portugueses, não só a recolher plásticos, mas também a entender o peso/impacto das suas ações nos oceanos e na sustentabilidade do nosso planeta”, sustentou.

Com duração de um ano, o TransforMAR esteve dois meses sucessivos (julho e agosto) em 15 praias de todo o país, de forma a sensibilizar as pessoas para a importância de se ter uma boa conduta ambiental em praia e para os princípios da económica circular, através da recuperação, reutilização, reciclagem e redução do desperdício de plásticos. Em cada uma das praias foi instalado um deposito próprio, promovendo a recolha de materiais plásticos e de metal produzidos pelos frequentadores dos locais.