Nova rede de sensores em Lisboa: agora vai ser possível saber a qualidade do ar diariamente – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

Nova rede de sensores em Lisboa: agora vai ser possível saber a qualidade do ar diariamente

Tempo médio de leitura: 3 minutos

Lisboa vai ter, pela primeira vez, uma rede de monitorização, em tempo real, da qualidade do ar, níveis de ruído ou trânsito. Ao todo são 80 as estações, com 658 sensores, que constituem esta rede que fará a cobertura espacial de toda a cidade, 24 horas por dia, e que estará pronta a funcionar até ao final de março.

A cerimónia de arranque do projeto realizou-se hoje em Entrecampos – local onde está localizada uma das 80 estações previstas – e contou com a presença do vereador do Ambiente, Clima e Energia e Estrutura Verde da Câmara Municipal de Lisboa, José Sá Fernandes.

Para o vereador os dados recolhidos são “uma informação absolutamente essencial, não só para a decisão política, para informar o cidadão, para saber como é que estamos, mas também para depois ligarmos à saúde pública”, reforçando que a importância maior desta iniciativa está ligada “com a poluição atmosférica”.

“A poluição atmosférica está diretamente ligada à saúde publica e, portanto, nós temos de ter esta informação para podermos agir. Não podemos permitir mais que a cidade não tenha estes dados e adiar decisões que temos de tomar face ao estado da poluição da cidade”, reforça.

O vereador explica ainda que, estes sensores que irão cobrir toda a cidade, servirão também para “saber o real grau de poluição da cidade inteira” diariamente, e que, consequentemente, ajudarão na tomada de decisões, “esta é uma ação de grande relevância ambiental, não porque resolve nada em si mesmo, mas porque permite a informação, permite depois de termos esta informação, a melhor decisão em cada uma das matérias. Nós não podemos mais não decidir questões da poluição atmosférica”, sublinha.

“E a melhor maneira de nós debatermos as coisas é darmos os dados para as pessoas debaterem. Se as pessoas não tiverem os dados, o debate fica frágil”, acrescentou.

Os dados estarão disponíveis em tempo real, a partir de 31 de março, através das plataformas de dados abertos da Câmara Municipal de Lisboa. Este projeto contou com um investimento de cerca de 350 mil euros, parcialmente financiados pelo projeto de inovação H2020 “Sharing Cities”. 

Com estes dados, prevê-se que haja ainda uma atualização do mapa estratégico do ruído da cidade e a promoção de novas dinâmicas de controlo da poluição atmosférica.

O presente mapeamento irá complementar a monitorização efetuada pela rede oficial de estações fixas da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR_LVT) e das estações meteorológicas do IPMA, existentes em Lisboa.