Mesmo em altura de pandemia, prática de reciclagem aumenta 13% – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

Mesmo em altura de pandemia, prática de reciclagem aumenta 13%

Tempo médio de leitura: 3 minutos

Apesar do ano de 2020 ter ficado marcado pela pandemia, os portugueses continuaram a reciclar, tendo até havido um incremento neste ato. De acordo com a Sociedade Ponto Verde (SPV), a recolha seletiva de embalagens aumentou 13% comparativamente a 2019, o que se traduz na recolha de 409 mil toneladas de embalagens.

Segundo os dados divulgados, o destaque vai para o aumento de 39,7% na reciclagem do papel, o que se traduz numa recolha de 132 mil toneladas de papel e cartão. Por sua vez, as embalagens de plástico e de vidro cresceram 7,6% e 1.3%, respetivamente. Com este aumento evitou-se a emissão de 158 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera.

Estes dados acabam por nos mostrar que, mesmo em pandemia, os portugueses continuam a incluir este hábito no seu dia-a-dia. Além disso, os números reforçam também as conclusões apresentadas pelo Radar da Reciclagem da SPV, que mostrava que nove em cada dez portugueses faziam reciclagem de embalagens, e que este é o comportamento que pensam que mais contribui para a proteção ambiental.

“Num ano caracterizado pelos fortes impactos da pandemia, os portugueses continuaram comprometidos com a causa da reciclagem e podemos por isso afirmar que a recolha seletiva não abrandou com o confinamento. Existem novos desafios a superar após mais um confinamento e um futuro incerto, porém, o compromisso com a reciclagem e com a cidadania ambiental deverá fazer sempre parte do dia-a-dia de cada um.”, assinala Ana Isabel Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde.

“Além do nosso papel na sensibilização para a separação das embalagens pelos cidadãos, a SPV continua também a ter um papel ativo juntos dos seus clientes, procurando impulsionar novas e melhores soluções de embalagens e de reciclagem, acelerando a inovação e o I&D, diminuindo assim o impacto ambiental e consolidando o caminho para a neutralidade carbónica”, conclui.