Cinco dicas para reduzir a pegada de carbono – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

Cinco dicas para reduzir a pegada de carbono

Toda a atividade humana tem impacto no ambiente do nosso planeta. A pegada de carbono mede o impacto que essa mesma atividade tem no nosso ambiente relativamente à emissão de gases de efeito de estufa (GHG), expresso em unidades de dióxido de carbono (CO2). Quanto menos CO2 for produzido por uma organização, produto ou indivíduo menor é a pegada de carbono.

Assim sendo, quanto mais mitigarmos este problema melhor. A Organização das Nações Unidas (ONU) tem na sua página Climate Action um conjunto de conselhos que podemos seguir de forma a minimizar o problema. Contudo, o primeiro passo é perceber qual é o real contributo dos nossos hábitos diários para as emissões de C02. Para isso a ONU disponibilizou uma calculada que permite que vejamos, em traços gerais, quantas toneladas de dióxido de carbono produzimos. Em média, um português é responsável por cerca de 14 toneladas de C02 emitidas anualmente, mas pode optar sempre por fazer um cálculo detalhado para saber exatamente a quantidade que os seus hábitos produzem num ano. Se perceber que tem muito a reduzir, ficam aqui cinco dicas fáceis de colocar em prática, o nosso planeta agradece.

1 – Transportes públicos e bicicleta – Opte, sempre que possível, por alternativas de transporte mais sustentável como o andar de transportes públicos, bicicleta ou mesmo a pé nos pequenos percursos. É uma ótima forma de reduzir a quantidade de CO2 emitido e ainda por cima é fácil. Para ter noção da diferença que isto pode ter no nosso planeta sabia que conduzir uma média de 8 mil quilómetros por ano, num carro a gasolina, produz cerca de 70 toneladas de C02? E 8 mil quilómetros é uma média bastante baixa, pois equivale a cerca de 21 km diários. 

2 – Reduzir consumo – Quando tiver de adquirir novos equipamentos eletrónicos opte por modelos mais eficientes, com etiqueta A+++, principalmente nos grandes consumidores de energia como os frigoríficos, placas, fornos elétricos ou máquinas de lavar loiça. Contudo uma boa eficiência energética não se limita apenas aos eletrodomésticos, uma boa parte da energia gasta em climatização, como o ar condicionado ou o aquecimento, pode ser poupada ao investir no isolamento da sua casa. Não se esqueça também de trocar as suas lâmpadas antigas por modelos LED, são mais eficientes e gastam muito menos energia do que os modelos de lâmpadas incandescentes.

3 – Reduzir – Reduzir a compra de novos produtos aos apenas necessários tem imensas vantagens: não só reduzimos a quantidade de lixo produzido como ainda poupamos nas emissões de C02. Só em 2020 estima-se que, apenas um objeto como os smartphones, vai ser responsáveis por 125 megatoneladas de CO2, tendo 85 a 95% dessas emissões origem no fabrico dos equipamentos. A isto juntam-se as emissões produzidas pelo funcionamento da fábrica, como a energia usada para a extração dos minerais necessários à sua fabricação.

4 – Alimentação – Termos um comportamento mais consciente ao comprar comida é uma forma de poupar o planeta. Preferir alimentos locais, por exemplo, é uma forma de minimizar as emissões de dióxido de carbono pois evita-se o transporte desnecessário assim como a queima do combustível utilizado. Reduzir o consumo de carne é outra alternativa. Apesar de o impacto ambiental da produção de carne variar consoante os métodos utilizado, a Food and Agriculture Organization (FAO) indicia que esta é uma das maiores fontes mundiais de gases de efeito de estufa.

5 – Compense o que não conseguir evitar – Viver o dia-a-dia sem ter pegada de carbono é algo impossível. Devemos esforçar-nos ao máximo para conseguirmos e, sempre que isto nos for possível, do ponto de vista financeiro, podemos ainda compensar as emissões que não conseguimos evitar. Esta compensação de carbono significa que se tivermos hipóteses podemos doar dinheiro a projetos que reduzam os gases de efeito de estufa.

Se o fizer certifique-se sempre que escolhe projetos que sejam fidedignos e imparciais. Uma das maneiras de ter a certeza é através da plataforma de compensação da ONU.