Cimeira da Biodiversidade da ONU – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

Cimeira da Biodiversidade da ONU

“A humanidade está a travar uma guerra contra a Natureza” alertou António Guterres – secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) esta quarta-feira, na cimeira da biodiversidade da ONU.

António Guterres sublinhou, desta forma, a necessidade urgente de proteger a biodiversidade para o Acordo de Paris e para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, além disto ainda reforçou a sua importância no que toca à saúde humana, às economias e aos meios de subsistência.

Guterres destacou também três prioridades que devem ser tidas em conta pelos governos para ajudar a recuperar o mundo natural, de acordo com o The Guardian. 

Assim sendo, em primeiro lugar, as soluções baseadas na Natureza devem estar incluídas em todos os planos de recuperação económica dos governos relativamente à covid—19, investindo desta forma em oceanos, florestas e pântanos.

Em segundo lugar, a Natureza deve ser incluída na medida da própria riqueza de um país. Ou seja, a biodiversidade deve ser considerada como um critério na tomada de decisões financeiras, ajudando os investidores a passar da destruição para a recuperação da Natureza, declarou o secretário-geral da ONU aos líderes mundiais na cimeira.

Em terceiro e último lugar, objetivos ambiciosos para proteger a biodiversidade devem ser acordados por todos, através do acordo de Kunming, que será assinado no final do próximo ano pela China.

A cimeira da biodiversidade da ONU está a decorrer, pela primeira vez, em Nova Iorque e será palco de uma discussão pelos líderes mundiais no que toca à destruição desenfreada do mundo natural.

Na lista dos mais de cem políticos e líderes mundiais que vão abordar o evento constam nomes como Xi Jinping – presidente da China, Jair Bolsonaro – presidente do Brasil, Boris Johnson – primeiro-ministro do Reino Unido, Jacinda Ardern – primeira-ministra da Nova Zelândia e Angela Merkel – chanceler alemã.

Estas conversações surgem a par com a negociação pela comunidade internacional de um conjunto de objetivos de biodiversidade para os próximos dez anos, sendo esta a “última oportunidade da humanidade para restabelecer a relação com a Natureza”, considera Elizabeth Maruma Mrema, responsável das Nações Unidas para a biodiversidade.