Antes do Início e Depois do Fim – equacionar os modos de ver e percecionar – Lisboa Green Capital 2020
-Exposições

Antes do Início e Depois do Fim – equacionar os modos de ver e percecionar

Fazer com que a obra de Júlio Pomar dialogue com o trabalho de artistas contemporâneos é um exercício profundo e um verdadeiro caso de dedicação e sucesso.

Com curadoria de Sara Antónia Matos, até 1 de março, o atelier Júlio Pomar expõe “Antes do Início e Depois do Fim” de Júlio Pomar e o artista vianense Hugo Canoilas.

Nesta viagem quase apocalíptica, as obras de grande dimensão com tinta em tela impressa de Hugo Canoilas remetem-nos para um passado pré-histórico.

Há riqueza e biodiversidade presente nos mosaicos de desenhos e pinturas de Pomar. Onde felizes tigres, lagostas ou cavalos contrastam com os animais semi-submersos de Canoilas, que anunciam um fim trágico à vida humana.

Ao subirmos as escadas estreitas para a mezzanine passamos por um dinossauro de bronze. As frases de Jean Rimbaud nas telas de Hugo fazem-nos pensar friamente sobre a extinção – O que existia antes do início do mundo e o que ficará depois do seu fim? A exposição estimula-nos o pensativo crítico sobre os fenómenos da natureza, o futuro e faz-nos equacionar novos modos de vida.