Animais sem os quais a nossa sobrevivência estaria em risco – Lisboa Green Capital 2020
-Notícias

Animais sem os quais a nossa sobrevivência estaria em risco

Basta uma haver uma pequena mudança nos hábitos alimentares de alguns animais para que se despolete uma verdadeira teoria do caos, isto é, basta uma pequena alteração nos hábitos alimentares para que haja uma alteração nas cadeias alimentares de certos animais e, por sua vez, pôr em causa à nossa sobrevivência! Trata-se assim do equilíbrio ecológico, a interdependência entre todos os seres vivos do Planeta Terra.

Enquanto o Homem é o animal que mais desafia o equilíbrio ecológico através de uma exploração desmesurada dos recursos naturais do planeta e da contaminação do seu habitat, existem outros que fazem o contrário, minimizando assim esse impacto. O desaparecimento progressivo da biodiversidade deveria ser de uma importância imensa para o ser humano, pois é a nossa existência que está em risco!

De acordo com os especialistas estes são os três animais essenciais para a sobrevivência da vida humana na Terra:

Plâncton 

O plâncton abrange um número imenso de microrganismos que são transportados por correntes e ventos marinhos e que servem de alimento para quase toda a vida marinha.
O fitoplâncton – formado essencialmente por algas microscópicas, produz metade do oxigénio que respiramos, assim sendo absorve grande parte do dióxido de carbono presente na superfície, o que representa uma redução do efeito de estufa.

Fungos

Apesar destes não pertencerem ao reino animal, são determinantes no que toca a manutenção dos ecossistemas. São os fungos que são os responsáveis máximos pela reciclagem de restos orgânicos em decomposição, assim como, lhes compete o fornecimento de água e minerais às plantas através das raízes. É impensável sobrevivermos sem eles, dado que no nosso organismo habitam até 80 diferentes tipos de fungos, e todos eles desempenham um papel crucial na nossa saúde.

Abelhas 

“Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais, não haverá raça humana.”
Albert Einstein*

Segundo consta, até o próprio Albert Einstein reconhecia a importância das abelhas para a nossa sobrevivência. Estes insetos himenópteros – ordem de insetos com quatro asas membranosas (utilizadas no voo) e metamorfoses completas, que inclui as formigas, vespas e abelhas – além de nos darem o saboroso mel são ainda os polinizadores mais importantes do planeta.

Com um dia próprio – o 20 de maio, estes animaizinhos são fulcrais para o equilíbrio do ecossistema e desenvolvimento sustentável, sendo fundamentais para o funcionamento de plantações de alimentos, plantas silvestres e ecossistemas. Um terço dos alimentos que ingerimos, bem como, 80% das plantas com flores dependem destes seres, contudo, o excesso de exploração de terras agrícolas para a alimentação para alimentação humana, o uso e abuso de pesticidas e a poluição estão a causar graves consequências entre estes insetos.

Se ficou curioso com a importância deste bicho, espreite o nosso artigo “Abelhas, hoje é o dia delas!”

*Citação presente no livro “Não deixem morrer as abelhas” de Frank Littlewall e cujo autor atribui a Albert Einstein.